O Passo-a-Passo para o desenvolvimento de um novo negócio

O Passo-a-Passo para o desenvolvimento de um novo negócio

O Meu Contador Prime é uma empresa de contabilidade online, criada por empreendedores que utilizam tecnologia de última geração, pessoas especializadas em novos empreendimentos e um atendimento exclusivo e personalizado para ajudar no sucesso do seu novo negócio.

A seguir, vamos descrever as fases que envolvem o processo de estruturação de um novo empreendimento.


Para detalharmos melhor todo o processo, vamos subdividi-lo em fases distintas com objetivo de tornar mais didática a sua descrição, porém, na vida real, nem sempre o processo acontece de maneira tão explícita. É comum encontrar empreendedores e intraempreendedores (empreendedores corporativos) que dedicam seus esforços para a criação do novo empreendimento realizando várias etapas simultaneamente. Quando isso acontece, o empreendedor pode chegar a “Becos sem saída” o que pode atrasar o processo, custar mais caro e pode até comprometer o sucesso do empreendimento. O roteiro a seguir, pode ser muito útil para guiar o empreendedor e tornar o processo mais eficiente.

A meta a ser alcançada é: Estabelecer o novo empreendimento utilizando o mínimo de recursos, ou seja, consumir o mínimo de: Dinheiro, tempo, pessoas, espaço físico, matérias primas, infraestrutura e de modo tal que possa gerar riqueza o mais cedo possível.

A pergunta chave: Criar um novo negócio para que?

A resposta na grande maioria das vezes é: Para ganhar dinheiro!

Para isso acontecer o empreendedor tem pela frente o primeiro desafio: Conseguir identificar uma oportunidade de negócio que seja potencial geradora de lucro.

E não é qualquer lucro, é preciso que seja uma lucratividade que represente uma Taxa Interna de Retorno (TIR) sobre o investimento, que seja melhor que outras alternativas que tenham uma base de risco semelhante.

Um investidor só vai se interessar por um novo negócio, que pode correr muitos riscos de não dar certo, se este negócio apresentar claras demonstrações de que vai gerar no futuro próximo, um retorno substancialmente maior do que deixar o dinheiro em uma aplicação no Banco, digamos, na Poupança ou em Renda Fixa.

Ou seja, o investidor vai exigir que o novo empreendimento pague um prêmio pelo risco adicional que o seu dinheiro corre.

Assim o objetivo do empreendedor é identificar uma oportunidade de negócio e criar um empreendimento que possa rapidamente ser implementado para aproveitar esta oportunidade, que comece a operar e a realizar vendas o mais rápido possível, acelerando a assim o retorno sobre o investimento.

Em resumo:

Alguém só vai investir em um novo empreendimento se houver uma boa possibilidade de receber um prêmio pelo risco que seu dinheiro vai correr.

Por definição: O lucro é a remuneração pelo risco corrido pelo investidor.

O ciclo de vida de um empreendimento

Um empreendimento pode ser comparado a um ser vivo; é concebido, é desenvolvido, nasce, cresce, amadurece e morre.

O desafio é planejar e estruturar o empreendimento, contemplando todas as fases incluindo as negociações e acordos com os potenciais Stakeholders (Todos aqueles que pode ajudar, ou, atrapalhar a vida de um empreendimento) antes de sair gastando dinheiro.

Este cuidado maximiza as chances de êxito do empreendimento.

Vamos nos concentrar, a seguir, na etapa que mais nos interessa: a etapa do desenvolvimento do negócio.

Fase 1 – Tem início na identificação da oportunidade de negócio e é concluída quando o empreendimento estiver estruturado, os interesses dos envolvidos conciliados e os contratos assinados, ou seja; – Os recursos necessários para iniciar a construção do empreendimento foram assegurados pelo empreendedor.

Fase 2 – A construção do empreendimento tem início na contratação de todos os envolvidos que vão materializar o novo empreendimento; a loja, a fábrica, o escritório. Os envolvidos nesta fase serão contratados com o dinheiro ou demais recursos assegurados na Fase 1. Eles são; os fornecedores, prestadores de serviço, parceiros de negócios, canais de distribuição, empresas de serviços auxiliares e futuros empregados.

Fase 3 – A operação do empreendimento; esta fase se inicia quando a “as máquinas são ligadas”, “a loja é aberta”, “o escritório começa a trabalhar”, e daí por diante o empreendimento segue seu ciclo de vida operacional.

Vamos nos concentrar na fase inicial que é a do desenvolvimento do negócio e para estudá-la melhor, vamos subdividi-la em quatro etapas para que possamos analisar cada uma delas com maior profundidade.

As etapas do desenvolvimento de um novo empreendimento:

  1. A identificação da oportunidade de negócio;
  2. A criação da Proposta de Valor;
  3. A criação do Modelo de Negócio;
  4. A Estruturação de Empreendimento;

O ponto de partida: A identificação da oportunidade de negócio.

A visão de uma oportunidade de negócio é o processo de identificação de uma necessidade ou de um desejo não atendido de potenciais clientes, sejam eles, pessoas físicas, comunidades ou empresas.

A identificação de uma oportunidade de negócio depende fundamentalmente da interação do empreendedor com o meio ambiente. Por exemplo: O empreendedor percebe que no seu bairro falta uma Loja de Conveniência que fique aberta 24 horas. Ou então, o gerente de vendas da incorporadora imobiliária fica sabendo que o governo vai liberar financiamentos para a construção de casas populares na região nordeste, em condições muito favoráveis.

A oportunidade para a instalação da Loja de Conveniência está intimamente liga àquele bairro, naquele momento do tempo. Já a oportunidade para a construção de casas populares está vinculada a liberação de financiamentos, na região nordeste do país. Assim, a oportunidade de negócio está inserida dentro de um contexto compreendido pelos aspectos geográficos, sociais, econômicos e culturais do meio ambiente, onde os potenciais clientes se encontram inseridos.

A oportunidade de negócio é exatamente a chance de “vender a solução para os problemas ou para os desejos não atendidos”.

O Sucesso na identificação de uma oportunidade de negócio pode ser expresso através da fórmula:

Sucesso = Visão da Oportunidade X Conhecimento X Espírito Empreendedor

(Observe que utilizamos “X” e não “+” isto porque, se um dos fatores for zero, o resultado será zero.)

Para ter sucesso e ganhar dinheiro, o empreendedor precisa “Ver” a oportunidade, ele precisa perceber que pessoas e comunidades precisam de coisas, sejam produtos ou serviços. Depois, para aumentar sua chance de êxito na exploração da oportunidade, ele deve ter profundo conhecimento do mercado onde o potencial negócio estará inserido. Além disso, ele ainda precisará de muita coragem para enfrentar as barreiras que surgirão para que a oportunidade identificada possa vir a se tornar um negócio lucrativo.

Resumindo:

A identificação de uma oportunidade de negócio é basicamente perceber a existência de pessoas ou empresas que têm necessidades ou desejos não atendidos e que estão dispostas a pagar para receber produtos os serviços que atendam a estas necessidades ou desejos.

O passo dois: Criar a Proposta de Valor

A Proposta de Valor é “o que” o negócio vai entregar para os potenciais clientes para atender suas necessidades ou desejos.

A Proposta de Valor também pode ser definida como a soma total dos benefícios que são prometidos e entregues ao cliente, em retorno ao seu pagamento.

Por incrível que pareça, a falta de uma clara proposta de valor, aquela que é percebida e valorizada pelo potencial cliente, é uma das principais causas da mortalidade de novas empresas.

A proposta de valor é a maneira como a empresa define a razão de sua existência, e por isso, existe uma relação direta entre a missão da empresa e sua proposta de valor. 

Resumindo:

A proposta de valor é a clara definição do produto ou serviço que será entregue para o cliente.

Passo três: Definir o Modelo de Negócio

O Modelo de Negócio é o desenho das atividades necessárias para a operacionalização do empreendimento, ele mostra como concatenar todos os recurso necessários para implementar a estratégia da empresa.

O Modelo de Negócio detalha como e onde será realizada a pesquisa de mercado, o desenvolvimento dos produtos e/ou serviços da empresa, como será estabelecida toda a cadeia de suprimentos, as operações, os modelos de gestão e de marketing, a cadeia de distribuição, a rede de assistência técnica e a reciclagem dos produtos. Isto tudo levando em consideração o contexto do mercado.

O Modelo de Negócio tem por objetivo criar o fluxo de ações que possibilitem a máxima eficiência na produção e na entrega dos bens ou serviços que satisfaçam as carências identificadas na visão da oportunidade. Ou seja, o modelo de negócio ideal é aquele que direciona a criação do empreendimento, de modo que atinja seus objetivos, utilizando o mínimo de recursos (Dinheiro, tempo, matérias primas, espaço físico, pessoas, etc.).          

O modelo de negócio deve correlacionar todas as ações e a utilização dos recursos em um modelo dinâmico. Por que dinâmico? Por que deve levar em consideração a evolução do negócio.

Os produtos têm o seu ciclo de vida e as empresas também têm o seu. A empresa, na sua fase inicial demanda investimentos substanciais que devem estar disponíveis na hora certa. Os investimentos para a criação da empresa devem considerar além do capital necessário para a montagem do negócio, devem também, contar com o capital de giro para os primeiros meses de operação, uma vez que é preciso um certo tempo para desenvolver uma carteira de negócios.

O empreendedor encontra assim um desafio: Idealizar um modelo de negócio que proporcione retorno ao investimento, a taxas superiores a outras alternativas, levando em consideração que cada negócio tem um conjunto de riscos.

Como um bom Modelo de Negócios ajuda a atrair investidores e financiadores:

Os possíveis investidores (Aqueles que podem se tornar sócios do empreendimento) e os possíveis financiadores (Aqueles que podem emprestar dinheiro para o empreendimento) vão querer entender com detalhes quais são os riscos envolvidos na criação e na operação do negócio e como o empreendedor vai se preparar para administrar estes riscos.

Quando os investidores entenderem quais são os riscos e como eles serão administrados pelo empreendedor, eles vão querer uma compensação por este risco, um prêmio.

Só aí então, eles decidirão por investir ou não neste empreendimento, se vão emprestar ou não, dinheiro para o empreendimento.

Eles vão ainda levar em consideração que podem investir em outros negócios na mesma base de risco, ou em negócios com riscos diferentes, porém, com remunerações que eles achem mais adequadas.          

O Modelo de Negócio deve descrever como a Proposta de Valor será entregue aos clientes alvo através da clara definição de todas as atividades envolvidas no negócio.

A seguir, listamos algumas das principais atividades que devem ser analisadas e definidas pelo Modelo de Negócio:

  • O investimento necessário para a construção e operação do empreendimento.
  • Identificação das possibilidades de ganho que possam vir a ser proporcionadas pelo empreendimento;
  • Qualificação do negócio, com a análise dos aspectos econômicos, técnicos, financeiros, jurídicos e políticos;
  • Identificação, qualificação e quantificação dos riscos do empreendimento;
  • Descrição criteriosa sobre como mitigar, contingenciar, compartilhar e distribuir os riscos;
  • A construção do modelo de financiamento;
  • Definição das competências essenciais (Pessoas) necessárias para a operação do empreendimento;
  • Definição de quem serão os Parceiros Estratégicos (Aqueles que são essenciais para o empreendimento se materializar);
  • Estudo e quantificação dos Investimentos necessários em Pesquisa e Desenvolvimento;
  • Definição da estrutura ótima de produção, que minimize os custos e maximize o uso dos recursos;
  • Estudo sobre como deve ser estruturada a Cadeia de Suprimentos e de Valor;
  • Descrição de como será traçada a estratégia de marketing e quais serão as ações de vendas;
  • Estudo e a avaliação de possíveis canais de distribuição;
  • Definição de como será a gestão do relacionamento com os clientes;
  • Como o empreendimento vai combinar todas estas atividades de modo a maximizar a eficiência e a geração de valor para os Stakeholders.

Com você, leitor, pode ver, o Modelo de Negócio, envolve todas as fases para o desenvolvimento do empreendimento e por isso, o melhor processo para descrever o Modelo de Negócio, é elaborar um Plano de Negócios.

Quarto passo: A Estruturação do Empreendimento

Uma vez definidos; a Oportunidade de Negócio, a Proposta de Valor e o Modelo de Negócio, a fase seguinte é a Estruturação do Empreendimento.

É nesta fase onde todas as atividades identificadas anteriormente são colocadas em prática. A estruturação pode também ser chamada de “amarração” do empreendimento; é o processo de busca e de identificação dos Stakeholders e da conciliação dos seus interesses, com o objetivo de obter os recursos necessários para fazer o empreendimento se materializar.

Nesta etapa tem início todo o processo de negociação com os fornecedores, os prestadores de  serviço, os investidores, os financiadores. Este é o momento de buscar “alinhavar” pré-acordos de vendas com potenciais clientes.

Em resumo:

A fase de estruturação do empreendimento tem por objetivo conciliar os interesses dos Stakeholders, visando obter os recursos necessários para a implementação do empreendimento.

A fase da estruturação do empreendimento pode ser desdobradas nas seguintes etapas:

  • Identificação de todos os Stakeholders;
  • Estudo e seleção dos principais Stakeholders e de seus papéis no empreendimento;
  • Identificação dos interesses de cada um dos Stakeholders;
  • Estudo da abordagem a cada um dos Stakeholders principais;
  • Negociar com cada um dos Stakeholders para obter os recursos necessários;
  • Firmar pré-acordos para “amarrar” o interesse de todos os envolvidos.

Alguns dos principais Stakeholders podem ser:

  • Os potenciais clientes;
  • Investidores;
  • Instituições financeiras, potenciais financiadoras do empreendimento;
  • Concorrentes;
  • O Governo nas suas diversas esferas;
  • Parceiros comerciais;
    • Fornecedores;
    • Prestadores de serviços;
    • Canais de distribuição;
    • Parceiros estratégicos.

O processo de estruturação do empreendimento é baseado principalmente na apresentação do Plano de Negócios a todos os principais Stakeholders, buscando despertar seus interesses para o negócio, com o objetivo de conseguir seu engajamento, seja aportando recursos financeiros, tecnologia, canais de distribuição ou capacidade industrial.

A fase de estruturação do empreendimento tem por fim criar credibilidade para o negócio.

À medida que o empreendedor consiga o acordo com um primeiro Stakeholder importante, este empresta credibilidade ao empreendimento.

O ideal é o empreendedor focar seus esforços nas fontes mais respeitadas do mercado, pois à medida que ele vai conseguindo trazer o apoio de cada uma destas fontes, o processo de obtenção de acordo com as demais vai ficando mais fácil, pois o empreendimento vai ficando cada vez mais crível.

Nesta fase, alguns aspectos são muito valorizados pelos Stakeholders, fazemos a seguir uma lista dos mais importantes:

  • A paixão do empreendedor pelo empreendimento;
    • Os Stakeholders querem ver o “brilho no olho” do empreendedor ou do intraempreendedor.
  • O comprometimento do empreendedor com o sucesso do empreendimento;
  • A competência da equipe envolvida no empreendimento;
  • A qualidade do Plano de Negócios:
    • O grau de inovação do empreendimento;
    • Vantagens competitivas e comparativas dos produtos ou serviços a serem oferecidos pelo empreendimento;
    • Consistência das informações;
    • Concatenação das idéias;
    • Justificativas financeiras e econômicas consistentes e bem fundamentadas;
    • Visão de oportunidade de negócio: Oportunidade certa, clara identificação dos potenciais clientes e de seus hábitos de consumo;
    • Clara visão dos riscos do negócio e como administrá-los;
    • Claro entendimento do ambiente de negócios e das forças que interagem neste ambiente: Concorrentes, Clientes, Fornecedores, Novos Entrantes, Produtos ou serviços substitutos. (Porter,1980-1985);
    • Planos de saída do negócio.

A fase da Construção do empreendimento

Uma vez que o empreendedor consiga, obter os recursos necessários para a construção do empreendimento, a fase seguinte é a construção propriamente dita.

É o momento de contratar os fornecedores, os empregados, os canais de distribuição, em fim é construir a loja, montar a fábrica, e tê-los prontos para operar.

A contratação de um serviço de contabilidade especializado em novos empreendimentos pode ajudar em muito o empreendedor, acelerando a constituição da empresa, fazendo o enquadramento tributário correto e provendo ao empreendedor informações importantes sobre como emitir suas notas fiscais, como pagar suas obrigações e gerar relatórios gerenciais sobre a evolução do negócio.

O Meu Contador Prime – www.meucontadorprime.com.br –  é especializado no apoio aos empreendedores e de suas startups.